Controles Internos – (edição 01 / ano 02_2018)

Informativos Contábeis-2018

Clientes e Leitores,

A escolha desse tema, para iniciar as edições do nosso informativo, resulta da sua importância no ambiente das organizações e por se constituir em um componente que acredito ser o alicerce de uma boa administração.

O assunto é abrangente e poderia ser trabalhado de forma longa. Entretanto, como a proposta do informativo é produzir material objetivo para uma leitura rápida que permita provocar análise e reflexão de cada apreciador no ambiente em que atua, focarei apenas alguns aspectos, os quais considero fundamentais.

CONTROLES INTERNOS

Referência:

Em 1985, nos Estados Unidos, a Comissão Nacional sobre Fraudes em Relatórios Financeiros, criada em 1975, foi transformada em Comitê, conhecido como COSO e teve por objetivo o estudo de fatores que podem levar à geração de relatórios fraudulentos e também de elaborar recomendações para empresas, auditores, instituições educacionais e outros reguladores.

Em 1992 o COSO publicou o trabalho que traduzido para o português é intitulado como “Controles Internos – Um Modelo Integrado”, tornando-se uma referência mundial para o estudo e aplicação dos controles interno.

No que consiste:

Sem me valer de qualquer referência bibliográfica, buscando definir Controles Internos, eu diria que consiste em um conjunto de políticas, regras e procedimentos definidos sob a responsabilidade da administração para serem aplicados por uma organização, visando segurança nas informações e processos, buscando a mitigação dos riscos de toda ordem, mas especialmente os mais significativos. 

Abrangência, importância e necessidade:

A necessidade de controle é algo que está presente em nossas vidas, em praticamente tudo e nas mais variadas formas, havendo uma relação direta com o que denominamos de riscos, sendo esses a combinação entre probabilidades de ocorrência de determinados eventos e os possíveis impactos deles resultantes.

A abrangência, a importância e a necessidade de controles possui relação direta com a análise de riscos da organização, o que me leva a afirmar que a definição dos controles necessários depende da análise dos riscos, os quais devem ser avaliados tendo presente as possibilidades de ocorrência e os possíveis impactos, para com base nesses elementos decidir pela implementação ou não de controles e da sua extensão.

“CONTINUA…”

Deixe seu comentário.

%d blogueiros gostam disto: