GERENCIAMENTO DOS RISCOS NA ORGANIZAÇÃO – (edição 14 / Ano 03_2019)

A ideia de escrever sobre gerenciamento de riscos, no presente boletim, surgiu com o painel apresentado no evento da Dickel Consultores, realizado nos dias 24 e 25 de setembro passado e pelo fato da Dickel e Maffi, como firma de auditoria, entender que se trata de tema relevante no contexto das organizações e, também, como excelente ferramenta de gestão.

GERENCIAMENTO DOS RISCOS NA ORGANIZAÇÃO

Parte do material apresentado, na ocasião do evento, será reproduzido como forma de sintetizar algumas informações e, considerando que esta edição ficou relativamente extensa, incluímos um breve sumário:

  1. Conceitos
  2. Natureza dos Riscos
  3. Gerenciamento dos Riscos
  4. Encaminhamento Prático
  5. A Quem Compete Fazer O Gerenciamento Dos Riscos?
  6. Relação Com Outros Elementos Como: Controles Internos, Controladoria, Auditoria Interna, Compliance, Etc.
  7. Apetite Ao Risco – Postura Da Administração Perante Os Riscos
  8. Benefícios Do Gerenciamento De Riscos
  9. Limitações Da Gestão De Riscos Corporativos
  10. Riscos No Contexto Da Auditoria Externa
  11. Resultado Da Pesquisa Sobre “Gestão De Riscos No Ambiente Cooperativo”
  12. Considerações Finais

1.Conceitos:

Gestão de riscos – Conjunto de ações coordenadas para atuar de forma preventiva na identificação, administração, condução e prevenção dos riscos empresariais. O efetivo gerenciamento de riscos torna-se mais eficaz à medida que todas as partes envolvidas adquirem maior grau de maturidade no seu mapeamento.

Estrutura da gestão de riscos – Conjunto de componentes que fornecem os fundamentos e os arranjos organizacionais para a concepção, implementação, monitoramento, análise crítica e melhoria contínua da gestão de riscos através de toda a organização.

Atitude perante o risco – Abordagem da organização para avaliar e eventualmente buscar, reter, assumir ou afastar-se do risco.

Proprietário do risco – Pessoa ou entidade com a responsabilidade e a autonomia para gerenciar um risco.

Identificação de riscos – Processo de busca, reconhecimento e descrição de riscos.

Fonte de risco – Elemento que, individualmente ou combinado, tem o potencial intrínseco para dar origem ao risco.

Análise de riscos – Processo de compreender a natureza do risco e determinar o nível de risco.

Nível de risco – Magnitude de um risco ou combinação de riscos, expressa em termos da combinação das consequências e de suas probabilidades.

Avaliação de riscos – Processo de comparar os resultados da análise de riscos com os critérios de risco para determinar se o risco e/ou sua magnitude são aceitáveis ou toleráveis.

Tratamento de risco – Processo para modificar o risco.

Risco residual -Risco remanescente após o tratamento do risco.

Monitoramento – Verificação, supervisão, observação crítica ou identificação da situação, executados de forma contínua, a fim de identificar mudanças no nível de desempenho requerido ou esperado.

  1. Natureza dos Riscos

Conhecer a natureza dos riscos quando se pretende fazer gestão de riscos é de fundamental importância. Sem atender a esse requisito corre-se o risco de sermos surpreendidos com ocorrências de impactos significativos. Entre os principais riscos, destacam-se os mais comuns nos ambientes empresariais.

Gerenciamento dos Riscos:

O gerenciamento de riscos corporativos é constituído de oito componentes interrelacionados, pelo qual a administração gerencia a organização e estão integrados com o processo de gestão O quadro a seguir demonstra quais são esses componentes:

CONTINUA…

Erni Dickel
Sócio Responsável Técnico

DICKEL e MAFFI – Auditoria e Consultoria SS

Acervo das Publicações DM

As edições completas dos Boletins Informativos estão disponíveis no Acervo de Publicações DM. Para acessar, clique no botão abaixo, faça seu cadastro, escolha seu título e boa leitura.

Deixe seu comentário.

%d blogueiros gostam disto: