XVI CONVENÇÃO de CONTABILIDADE do RS e XI ENCONTRO da MULHER CONTABILISTA (Edição 16 – Ano 1_2017)

RESUMO DOS PRINCIPAIS PAINÉIS

Auditoria – Atualizações e Tendências Internacionais para o Futuro da Profissão

Os organismos internacionais, que definem as normas para os trabalhos de auditoria e a estrutura do relatório de opinião, estão trabalhando para promover mudanças, melhorias e ajustes que visam regular e padronizar o uso das Normas. Por esta razão, o auditor deverá permanecer aberto a esse processo de mudanças, incorporando assim, nas suas rotinas, as novas exigências para as Normas Técnicas e Normas Profissionais de Auditoria.

Outro ponto importante está no desafio que o futuro da profissão encontra para com uso de ferramentas tecnológicas, nos riscos inerentes ao negócio e sua devida classificação, considerando probabilidades e potenciais impactos, no uso de estimativas e nas amostragens, para os quais deverá contar-se com maior participação das empresas auditadas para com as solicitações dos auditores que visam certificar a adequação das informações divulgadas em nível cada vez maior.

Segurança Pública:

O painel apresentado deixou muito claro que os interesses políticos atrapalham a implementação de projetos que, por sua vez, poderiam solucionar grandes problemas, os quais foram tomando corpo na medida em que não foram tratados como deveriam.

O Juiz Luiz Antônio Johnson – Diretor do Foro de Lajeado apresentou o CASE de Lajeado onde foi construído o presídio feminino com a ajuda da população através da Associação Lajeadense Pró-segurança Pública (Alsepro), presidida pelo Contador Dani José Petry, sem nenhum recurso público ao custo de 30% do que custaria se fosse feito por meio do poder público, demonstrando que com boa vontade, transparência e responsabilidade é possível fazer muito mais em pró dos necessitados, principalmente para a população carcerária.

Reforma Tributária e Educação Fiscal:

Na abordagem desse tema ficou evidenciada a necessidade da implementação de uma reforma tributária ampla, que busque a diminuição da carga tributária sobre os bens de consumo, especialmente os que atendam as classes menos favorecidas, mas que permita também reduzir a brutal estrutura que atualmente se apresenta necessária para operacionalizar o sistema tributário, tanto no ambiente das empresas quanto do setor público. Não foi possível evitar de pensar que nem mesmo a melhor reforma tributária resolverá o “problema” do Brasil se não conseguirmos reduzir os níveis de corrupção existentes.

Empreendedorismo Social:

Nesse painel, os participantes tiveram a oportunidade de apreciar um testemunho sobre a importância da contribuição que cada um pode dar, mesmo através de pequenos gestos e atitudes no dia a dia. Pois para quem necessita de ajuda, um pequeno gesto, palavra, conselho ou parar para apenas ouvir pode ser pouco para quem doa e, em contrapartida, pode representar algo muito grande e valioso para quem recebe.

Também, foi bem exposto e entendido que a superação das dificuldades exige, das pessoas que nelas se encontram inseridas, uma força interior antes desconhecida, que normalmente se revela na busca da realização de seus sonhos/desejos/aspirações, que cada um carrega consigo.

Compartilhamento como Oportunidade de Negócio

Este painel apresentou as experiências de sucesso vivenciadas por profissionais, mulheres, as quais valorizaram as oportunidades e transformaram suas carreiras de negócio em grande sucesso, compartilhando assim suas experiências, apresentando pontos e frases marcantes como:
• Modelo focado em gente gera aumento de produtividade.
• A produtividade está diretamente relacionada com o estado de felicidade.
• A proximidade afetiva gera a proximidade intelectual e proporciona a criatividade.
• Quando se tem medo, se paralisa. Quando se tem fé, se realiza.

É importante que os profissionais da contabilidade compartilhem sem medo as situações “de sucesso e de problemas”, pois somente assim promoveremos uma classe contábil fortalecida e valorizada.

Inovação – Criatividade na era Digital e Disrupção Digital em Busines

Tempos atrás, quem emitia a comunicação detinha o controle. Atualmente, não se vive mais a era do controle da comunicação, mas sim a era do “algoritmo”, sendo este o foco principal no “conteúdo que se está comunicando”.

O cliente gosta da “tecnologia e inovação” e para isto é preciso ser criativo, ouvir a rede de clientes para melhorar e inovar cada dia em produtos e serviços, investindo sempre em “CONTEÚDO”.

Na era digital quem domina o valor é quem tem dados. Esta frase afirma que é preciso haver uma mudança da era da informação para era da Inovação.

Gestão de Riscos e Compliance

Neste painel explanou-se pontos importantes e esclarecedores para definir que Gestão de Riscos e Compliance não é um método ou processo anticorrupção, pois seu objetivo é atender a todas as leis e regras de regulam o negócio. Inclusive que, para se tratar de ética e boas práticas de governança não precisamos de leis, sendo necessário apenas manter esta prática, pois ela é necessária para a boa imagem.

Não existe um padrão pronto para se definir quantidade e valores a serem investidos em Compliance.
Para finalizar este painel, destacamos que se uma empresa possuir: Governança + Gestão de Riscos + Compliance, restará apenas trabalhar na “Prevenção”

Pacto pelo Brasil: mais controle e menos corrupção

O alto índice de corrupção no Brasil traz à tona uma série de assuntos que envolvem o interesse da população. Cada vez mais a sociedade se une em prol de justiça e transparência.
Este painel apresentou o “OBSERVATÓRIO SOCIAL DO BRASIL”, que corresponde ao espaço oportuno para o exercício da cidadania, onde deve ser democrático e apartidário e reunir o maior número possível de entidades representativas da sociedade civil com o objetivo de contribuir para a melhoria da gestão pública.

Cada Observatório Social é integrado por cidadãos brasileiros que transformaram o seu direito de indignar-se em atitude: em favor da transparência e da qualidade na aplicação dos recursos públicos. São empresários, profissionais, professores, estudantes, funcionários públicos e outros cidadãos que, voluntariamente, entregam-se à causa da justiça social.

Atuando como pessoa jurídica, em forma de associação, o Observatório Social prima pelo trabalho técnico, fazendo uso de uma metodologia de monitoramento das compras públicas em nível municipal, desde a publicação do edital de licitação até o acompanhamento da entrega do produto ou serviço, de modo a agir preventivamente no controle social dos gastos públicos, além de atuar em outras frentes como:
• Educação Fiscal
• Inserção da Micro e Pequena Empresa nos Processos Licitatórios
• Construção de Indicadores da Gestão Pública

Conclusão:

Observamos que a Convenção de Contabilidade não tratou somente de assunto técnico, diretamente relacionado com a contabilidade, mas proporcionou condições para importantes reflexões sobre temas que afetam os profissionais desta área, mesmo que na sua condição de cidadão.

Também, notou-se pouca participação dos profissionais das cooperativas na convenção. A Dickel e Maffi salienta a importância da participação de todos da área contábil nos eventos que envolvem a classe para uma maior integração, no intuito de juntos criarmos um alicerce fortalecido em prol do conhecimento e valorização profissional, lembrando ainda que esse tipo de evento contribui com pontos para a educação continuada.

Equipe DM participante do Evento
DICKEL e MAFFI – Auditoria e Consultoria SS

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: